• user warning: Table './comunidade/sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: SELECT COUNT(sid) AS count FROM sessions WHERE timestamp >= 1472179844 AND uid = 0 in /var/www/comunidadesegura.org/includes/database.mysql.inc on line 172.
  • user warning: Table './comunidade/sessions' is marked as crashed and last (automatic?) repair failed query: SELECT DISTINCT u.uid, u.name, s.timestamp FROM users u INNER JOIN sessions s ON u.uid = s.uid WHERE s.timestamp >= 1472179844 AND s.uid > 0 ORDER BY s.timestamp DESC in /var/www/comunidadesegura.org/includes/database.mysql.inc on line 172.

Conflitos resolvidos na base da paz

Em Arauca, departamento produtor de petróleo da região oriental da Colômbia, um programa de gestão de conflitos comunitários se tornou uma das ferramentas mais procuradas pelos cidadãos para a resolução de problemas pessoais e comunitários, sem que precisem recorrer às instâncias judiciais.

'Quanto menos governo melhor'

Aos indivíduos liberdade. A advogada e professora emérita da UFRJ Ester Kosovski defende o direito à privacidade e a diminuição gradativa da interferência do estado sobre a vida das pessoas. Há 20 anos, quando presidia o Conselho Federal de Entorpecentes (Confen), ela propôs a despenalização dos usuários de drogas, e hoje finalmente festeja os avanços.

Cultura urbana a serviço da paz

Ativista da cultura Hip Hop e responsável pela criação e fomento de redes deste gênero musical em várias regiões do Brasil, Def Yuri fala sobre a importância da atuação desses grupos em campanhas de promoção à cidadania.

Folha de coca na boca do povo

A Bolívia solicitou o reconhecimento, pelas Nações Unidas, da legitimidade da mastigação da folha de coca, praticado pelos indígenas do país. A ONU tem até o dia 18 de fevereiro para estudar as objeções dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e da Suécia ao pedido da Bolívia. Se o pedido for recusado, prática ancestral poderá ser debatida em conferência internacional.

‘Bope pode voltar à origem’

O avanço do processo de pacificação poderá permitir que um dia o Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro (Bope) volte a ser o que era no início: uma unidade de resgate de reféns. Quem afirma é o seu novo comandante, tenente-coronel René Gonçalves Alonso. Antes disso, porém, ele explica que o Bope tem muito a fazer. Copa e Olimpíadas trazem a ameaça do terrorismo e a unidade se prepara para o pior. Ao mesmo tempo, a tropa desenvolve outras expertises, como a de se bem relacionar com a população e a de prestar socorro humanitário após catástrofes.

O Bope que resgata

Articulado com o Grupamento Aéreo e Marítimo, o Canil e os Paramédicos da PMERJ, Bope sobe a Serra fluminense com veículos, equipamentos e tropa para salvar famílias isoladas pela chuva.

Estatísticas de primeiro mundo

Em muitos países em desenvolvimento não existem sistemas de vigilância epidemiológica de lesões violentas que possam fornecer, de forma confiável e constante os dados necessários para o planejamento de estratégias de prevenção da violência. O motivo quase sempre é a falta de recursos. Mas o epidemiologista Diego Zavala Zegarra, da Escola de Medicina e Ciências da Saúde de Ponce, em Porto Rico, mostra que informação de qualidade não é um luxo de países ricos.

Maconha: dos mitos aos fatos

Livro que reúne informações científicas sobre a maconha destrói falsas crenças como a de que ela seria a porta de entrada para outras drogas e teria grande poder de causar dependência.

Mortes reabrem debate sobre controle de armas

Há quase três semanas, um atirador iniciou um tiroteio no meio de uma multidão em Tucson, no Arizona, matando seis pessoas e ferindo outras 19 – incluindo a deputada norte-americana Gabrielle Giffords. O tiroteio reacendeu o debate sobre a questão do controle de armas nos Estados Unidos, já que o acusado Jared Loughner usava um cartucho de 33 balas comprado legalmente.

Haiti correndo para a paz

Brasileiros e haitianos unidos, durante uma manhã inteira, exclusivamente pela prática esportiva e pela paz. Embora o Haiti ainda seja um cenário de desolação após o terremoto, que completou um ano no dia 12 de janeiro, o esporte é, sim, um instrumento de integração, mudança e estímulo à autoestima. É nisso que acreditam os organizadores da Jornada Haitiana do Esporte pela Paz, um dos maiores eventos esportivos já realizados no Haiti e que aconteceu no último domingo, dia 23 de janeiro.

Conteúdo sindicalizado